Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"Linhas" que separam ricos de pobres

por Mäyjo, em 27.06.16

Não importa onde  você vive: no sul da Califórnia ou em Cape Town, na África do Sul, há sempre desigualdade que separam os ricos e os pobres. 

O fotógrafo Johnny Miller encontrou uma maneira incrivelmente reveladora para destacar essas desigualdades na sua mais recente série de fotografias: "Cenas desiguais". Miller usou um drone para capturar as linhas exatas que separam os ricos e os pobres por toda a República da África do Sul.

 

Miller escreve: "As discrepâncias no modo como as pessoas vivem por vezes são difíceis de ver do chão. A beleza de ser capaz de voar é ver as coisas de uma nova perspetiva – ver as coisas como elas realmente são. Ao olhar para baixo de uma altura de várias centenas de metros, surgem cenas incríveis de desigualdade".

 

Lake Michelle / Masiphumelele

980x.jpg

Lake Michelle / Masiphumelele

 

"Ensandwichado” entre as comunidades de Sun Valley surge Masiphumelele.

Há aproximadamente 38.000 pessoas que vivem lá, muitos em pequenas barracas de lata. Não há esquadra de polícia, apenas uma pequena clínica de dia, e estima-se que 35% da população está infetada com o HIV ou TB ... Localizada numa estreita zona húmida, a comunidade do Lago Michelle está cercada por uma cerca eletrificada e o acesso é feito do posto de um guarda.

Miller explica, algumas dessas comunidades foram "projetadas com a separação em mente", outras foram-se desenvolvendo "mais ou menos organicamente." Estas fronteiras invisíveis, originadas com as políticas do apartheid, forçaram negros e brancos a viver separadamente.

Apesar das políticas do apartheid terem sido erradicadas há 22 anos atrás, deixam uma marca duradoura visivelmente na terra. Miller diz, "muitas dessas barreiras, e as desigualdades que geraram, ainda existem."

 

Hout Bay / Imizamo Yethu

980x-2.jpg

Hout Bay / Imizamo Yethu

 

"Aninhado entre dois destes conjuntos habitacionais está o subúrbio de Imizamo Yethu.

Imizamo Yethu (IY) é composto uma área de habitação propriamente dita e uma" área de assentamento informal"... As barracas neste assentamento informal chegam muito próximo da borda da área delimitada, num denso amontoado de telhados de zinco. Na verdade, apesar de a área total de IY ser muito menor do que todo o vale Hout Bay, os dois têm aproximadamente a mesma população... "

 

Papwa Sewgolum Golf Course

980x-3 (1).jpg

Papwa Sewgolum Golf Course

 

"Quase inacreditavelmente, alastra um assentamento informal a poucos metros a partir do tee para o buraco 6. Um muro de concreto rebaixado separa as barracas de lata dos relvados cuidadosamente tratados."

 Mesmo se você viva no outro lado do mundo, estas fotos são incrivelmente comparáveis ​​porque as mesmas desigualdades podem ser encontradas em toda parte.

 

Kya Sands / Bloubosrand

980x-4.jpg

Kya Sands / Bloubosrand

"Uma rápida pesquisa na Property24 mostra que muitas casas valem mais de 1 milhão de rands. Do outro lado da rua, barracas de lata com pneus de carro no telhado estendem-se na mesma distância. Se olharmos ainda mais perto, as principais vias de Kya Sands são realmente drenagens para a água negra, imunda que emana do riacho nas proximidades ".

 

Vusimuzi / Mooifontein Cemetery

980x-5.jpg 

Vusimuzi / Mooifontein Cemetery

"O assentamento Vusimuzi está numa posição interessante. Ele se projeta como um istmo entre um córrego fétido, um enorme cemitério e dois subúrbios ligeiramente mais ricos. Bem acima das barracas, linhas de energia de alta tensão levam energia elétrica para outras áreas de Joanesburgo, mas não até Vusimuzi."

 

Strand / Nomzamo

980x-6.jpg

Strand / Nomzamo

Em 2014 um confronto violento, na cidade de Cape Town, forçou muitas pessoas a deixarem suas barracas ao longo da autoestrada N2. Mas logo de seguida a cidade mudou de rumo e reconstruiu algumas das barracas num outro lote de terra. Uma parte das barracas reconstruídas pode ser vista nas fotos abaixo.

980x-7.jpg

Isto é um “espaço tampão” claro (adicionado de cercas) que separa os alojamentos mais ricos da Strand dos de Nomzamo / Lwandle.

Muitos dos barracos reconstruídos localizam-se dentro desta “terra tampão”. Parece-me que viver neste espaço intermediário "reforça a noção de viver à margem, alienado e/ou marginalizado".

 

Fonte: earthables.com

Fotos: Johnny Miller

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41

Fui destacada

por Mäyjo, em 26.06.16

Ups! 

Fui destacada e nem dei por isso, sou mesmo despassarada...

Captura de ecrã 2016-06-26, às 22.12.53 (1).png

A Equipa do SAPO Blogs, destacou o meu post de 2 de junho: Aogasihima, a ilha mais fantástica do Japão!

Muito obrigada pela atenção dispensada ao meu pequeno blog!

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10

Passadeiras flutuantes

por Mäyjo, em 22.06.16

Para quem estiver no norte da Itália nos próximos 14 dias, há um passeio que não deve deixar de fazer:  visitar o Lago Iseo e viver a experiência mais recente do trabalho do artista Christo - os cais flutuantes.

floatingpiers3.jpg

Este é o primeiro auto financiado projeto, em grande escala, de Christo desde "The Gates", em 2005, e desde que sua esposa e parceira, Jeanne-Claude,  morreu em 2009.

A ideia de permitir que às pessoas a andar sobre a água, por meio de passadeiras flutuantes, foi pela primeira vez concebida pela dupla quase há 47 anos atrás. E depois de pesquisar os lagos do norte da Itália, Christo, e sua equipe, estabeleceram-se no lago Iseo em 2014. Depois de dois anos de engenharia e instalação de 220.000 cubos de polietileno de alta densidade, envolto em tecido de nylon, a passadeira, de 1,8 milhas de comprimento e 53 pés de largura, liga duas pequenas ilhas entre si e ao continente.

E mais, como todos os projetos da Christo, é grátis, aberto ao público 24 horas por dia até 3 de julho; dia em que  todos os componentes serão removidos e industrialmente reciclados.

Então de que está à espera? ... Já não tem 2 semanas para experimentar a estrada cor de açafrão!!

floatingpiers5.jpgfloatingpiers8.jpgfloatingpiers9.jpgfloatingpiers7.jpgfloatingpiers2.jpg

floatingpiers4.jpg

(imagens por Wolfgang Volz)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:45

Aogashima, a ilha mais fantástica do Japão

por Mäyjo, em 02.06.16

Aogashima.jpg

A paradisíaca e surreal Ilha de Aogashima é um imenso vulcão com uma povoação e um outro vulcão menor lá dentro.

 

Não se sabe ao certo, como a ilha começou a ser povoada, mas registos históricos indicam que desde o século XVII já havia gente por lá. A ilha tem 8,75 km² de área e uma população local de 200 pessoas.

 

Não há muito o que se fazer em Aogashima, exceto desfrutar da tranquilidade de um paraíso tropical. No centro da ilha encontra-se uma sauna geotérmica e as pessoas também utilizam o vapor geotérmico para cozinhar.

 

Aogashima é a mais pequena vila do Japão. A partir de 2009, a população da ilha era de apenas 205 pessoas e tem vindo a diminuir. A ilha tem uma escola primária com cerca de 25 alunos. Quando atingem a idade de quinze anos, as crianças vão para uma escola no continente e a maioria não regressa mais à ilha.

 

Fontes: Magnus Mundi, Revista Galileu

Foto: Matador Network

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17


Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D